fev 4, 2014

Postado

O Reinado de Seu Zinho

O Reinado de Seu Zinho

“Benedito Santo

De Jesus querido

Valha-me Deus

Que eu tenho sofrido”

Clara Nunes, Congada

“Eu agradeço muito os jovens que faz essas entrevista e ajudam a gente a lutar com esses… se não, já tinha acabado tudo.  Tinha acabado tudo.”

Sentencia  o Rei Congo José Raimundo Soares Neto, Mestre Zinho, sobre o Congado de Nossa Senhora do Rosário de Ubá, enquanto rememora as primeiras orações e os primeiros ensaios realizados no morro das três porteiras, conduzidos sob a sombra de uma árvore por seu tio Miguel.

11985476623_df2198fb29_b

“Quantos já não foi do congado? Quantos já subiu? Quedê pra substituir eles?”

Assim como ele um dia recebeu o cetro de Rei Congo, quando tinha apenas 15 anos. Se aproximou da beirada do leito de morte do antigo Rei-Congo e ouviu o último pedido: “Estou contando meus minutos, mas eu quero que você e a Mariazinha continua com o congado.”

11985215293_e3248ce556_c

 

Diante do desejo derradeiro do rei, a função virou ordem e hoje seu Zinho procura um sucessor: “Porque tinha que ter o jovem, pra ter aquela força pra manter o congado.”

A origem da tradição no estado está entre as minas de ouro, onde os escravos trocavam o sangue e o suor pelo amarelo ouro garimpado na terra, desde 1711.

11985995163_ab3eaea429_c

O congado ecoa há séculos, contado e cantado pelos ancestrais aos jovens. A vida de São Benedito, o encontro de Nossa Senhora do Rosário emergida das águas e a luta de Carlos Magno contra as invasões mouras são desenhadas através de cores e batuques da África, sincretizados às catequeses jesuítas. E é a força de Deus e de Nossa Senhora do Rosário que garante a renovação da corte.

 (Referências das informações contidas no texto: Wikipédia e Prefeitura de Ubá)

 

Confira a cobertura fotográfica.

Deixa um Comentário