ago 19, 2017

Postado

Praia de Campina, Lagoa de Praia e Barra de Mamanguape

Praia de Campina, Lagoa de Praia e Barra de Mamanguape

Nordeste brasileiro, litoral, Paraíba, Rio Tinto.
História de povoamento indígena, potiguaras, colonizada desde o século XV, predominantemente rural. Intensificação da ocupação no século XX, preservada desde os anos de 1980 pelas ações ambientais que criaram áreas de preservação.
Paisagem e arquitetura apresenta simbiose com o meio ambiente, entretanto com forte penetração de materiais e técnicas de alvenaria modernas: cerâmica, cimento e ferragem.
Muito espaço, muito sol, vento, mar, rio, mangue, coqueiro, mato e algumas casas de taipa.
Conhecer a região foi provocador: construir com barro e fibra, conhecer técnicas e representações, usos, costumes, ritmos e materiais. Os coqueiros são especialmente instigadores… //ciranda de Siba//
Eis que surge um terreno ao lado de uma casa de taipa, que está sendo substituída por uma construção de tijolo e cimento.
A proposta de construir com barro e fibra, uma casa de taipa, uma palhoça, nem eu mesmo sabia…chegou como algo estranho para a população local, que, aos poucos, substituía as construções num processo considerado como “evolução”: primeiro era a casa de palha, depois de taipa com telha de cerâmica e “enfim” substituídas pelas casas de alvenaria por conta da melhoria do poder aquisitivo:
“Você veio trazer a pobreza de volta, Oswaldo!” – dizia Nau, meu mestre na construção de taipa.

Casa de taipa em Praia de Campina:
DCIM100GOPROGOPR0012.Casa de alvenaria em Praia de Campina:

DCIM100GOPROGOPR0013.

 

Misto de alvenaria e fibra:

DCIM100GOPROGOPR0014.

 

O terreno…

DCIM100GOPROGOPR0017.Detalhe: casa de taipa ao lado. Meu vizinho, Bilico, vendeu parte de seu terreno para construir sua casa de alvenaria e poder se mudar da casa de taipa definitivamente em sua vida…

 

Deixa um Comentário