jan 18, 2013

Postado

Jorge Bitá

Jorge Bitá

 

Jorge Francisco Belo além de mestre de Folia de Reis foi um bom contador de histórias. Lembrava dos encontros entre folias, dos feitiços e das brincadeiras perigosas dos palhaços. Devoto de são Jorge tinha nele sua proteção contra os perigos das jornadas.

“Quem canta sempre tem uns macetizinhos”, como disse seu filho Luzmar, para enfrentar as “pembas” de rezadores que tentavam prender a Folia.

Aprendeu a cantar Reis na Folia de seu pai Sebastião Francisco Belo. “De primeiro cantavam muito era na roça, tinha muito morador na roça. Naquela época faziam as fitas da bandeira de papel e colavam com farinha de mandioca. Passavam horas bem boas cantando, com muito respeito. Era bonito e era divertido” – contou seu irmão Onofre.

Jorge nasceu em 1943 em Cachoeira Alegre, município de Barão de Monte Alto, sua família, de oito irmãos, quase dava uma folia, morava em uma fazenda. Com a morte do pai se firmaram na cidade vizinha de Eugenópolis. Nessa época trabalhavam na fazenda da Retirada onde recomeçaram a Folia de Reis, sob sua liderança. Ele não sabia ler, mas sabia de tudo, entrava em qualquer lugar para cantar. Além de seguir com a bandeira deixada pelo pai, também chegou a cantar em outras Folias da região, como a de Pedro Bucho de Sapucaia.

E ele cantava muito, cantava bem, tinha uma voz forte que “se botasse no microfone arrebentava. É o dom que Deus deu a pessoa.” – disse Luzmar, que participou com o pai da Folia quando era mais moço. Fechavam a venda do pai, ao lado de sua casa, e iam cantar Folia em Raposo, em Lage do Muriaé, em Patrocínio, em Sapucaia na fazenda Ipiranga do falecido Jorge Merico. Não seguiu com a tradição do pai, mas guarda sua bandeira e de vez em quando ainda acompanha as Folias da região carregando seus filhos Gabriel e Gustavo para apreciarem festas, encontros e também apresentações de outras manifestações como mineiro pau e boi pintadinho.

Jorge Bitá deixou saudade. Segundo seu irmão Onofre: “a gente sempre andava junto, sempre unido, ele cantava e a gente cantava junto, a gente saia junto… É difícil esquecer, acabou a alegria. Se ele tivesse aí dia 24 a gente tava aprontando pra sair na Folia. Pra matar a saudade a gente põe o DVD dele”.

 

  1. gilson carlos says:

    cara q documentario fera , esse Jorge Bitá realmente foi o cara.
    meu tio irmão de meu pai sdds eternas ele deixou

  2. José Carlos Parazi says:

    tive o prazer de conhecer,o grande mestre de folia de reis,sr Jorge Bitar, na folia do saudoso Pedro bucho,na sapucaia município de Patrocínio do Muriaé,onde participei da jornada de reis,foi uma época maravilhosa.

Deixa um Comentário