mai 8, 2010

Postado

Cultura Misturada

Trabalho de aplicação desenvolvido pelos alunos de Cultura Popular do CTM. Parceiro da Cumbuca

            
 MINEIRO PAU:

            O mineiro-pau tem um jeito de luta feita com bastões grandes, com gente dançando, com o cuidado para não machucar o par. Tem vários movimentos como qualquer outra dança, acompanhados por canto e instrumentos musicais, tais como, sanfona de 8 baixos, pandeiro, tambores, viola e chocalho; antigamente, em Cataguarino, usavam também o berimbau.
            Usam roupas coloridas, fantasias, bonecos que representam vários personagens. Os principais são o boi, a mulinha e a boneca colombina. Muitos grupos fazem sua festa uma vez por ano, comemorando a libertação dos escravos no dia 13 de maio.
            O mineiro pau também tem outro nome que é maneiro pau no Ceará. Então, não existe só no Estado de Minas Gerais, cada lugar tem um jeito de se dançar.
            Originada no Nordeste com hábeis manejadores de bastão que faziam parte de tropas. O emprego jeitoso das mãos deu o nome a eles de maneiro pau. No Ceará os dançarinos ficavam vestidos de vaqueiros, do tipo jagunço com roupas de couro e chapéu.
É possível que os índios também usassem porretes em duelos ou brigas. Em Portugal e na África também existem vestígios dessa dança, o que mostra que a dança com porretes é bem difundida no mundo.
            Versos do bate-pau da Vila Reis, em Cataguases:
Esse anjo me acompanha
Pé de vela me alumia
Homem que tem coragem
Noite é mió do que dia.
CAPOEIRA:
 
A luta dançada – a dança lutada:
A capoeira ninguém sabe se é uma dança ou luta. Antigamente os negros da senzala usavam a capoeira para suas defesas e pela liberdade, como na história de Besouro. Ele lutava para libertar os negros e seus amigos da opressão.
O berimbau o atabaque, o agogô e pandeiro são usados como instrumentos. Existem dois tipos de capoeira: regional e angola.
Os escravos usavam a capoeira como uma dança em forma de luta que usava golpes para se defender dos brancos. No Brasil tomou movimentos ágeis, o atabaque parece ditar os golpes. Há filmes que contam histórias de guerreiros que lutaram pela liberdade. Zumbi e Besouro foram os principais que lutaram pela capoeira e deram a suas vidas até conseguirem cumprir a sua missão. Zumbi e Besouro queriam mostrar que os negros tinham mais valores além do trabalho. Os mestres que melhoraram a forma de luta foram os mestres Camisa, Pastinha e Bimba.
MACULELÊ:
Maculelê é uma luta que tem vários movimentos com dois bastões. Para o começo se espera o atabaque tocar para começar, duas batidas de bastões ou até seis batidas, com direito a rodar, pular, agachar, etc. Para se entrar no jogo tem uma forma certa de entrar para não se machucar, batendo os bastões e dançando sempre com um pouco de suingue e leveza e atenção, com facão bem treinado fica bonito tornando possível ver faísca.
(texto e vídeo desenvolvidos pelos alunos de Cultura Popular do Centro de Tradições Mineiras, parceiro da Cumbuca. O vídeo tem participação do Sons da Mata, cantando a música Fuzuê de Romildo S. Bastos e Toninho
Fotos

Deixa um Comentário