set 6, 2013

Postado

Guerreiras Congas

Guerreiras Congas

Agora eu puxo.

Maria de Lurdes não queria ficar sozinha em casa com as duas meninas, enquanto seu marido, o mestre de Congo Antônio Boi, saia com a Folia e o Congo pelas ruas de Minas. Com persistência e também enfrentando a discriminação dos outros, Maria tornou-se a primeira cantadora da Banda de Congo de Airões. E também uma das grandes incentivadoras da banda formada por mulheres de Brás Pires.

mulheres congado-8

Sem grandes discursos teóricos de Gênero, Lurdes é uma de tantas provas femininas de que a mulher pode e deve estar onde se sinta mais à vontade. Se é em casa cuidando das filhas, se é cantando e batendo espada no Congado, se é plantando pimenta ou carregando uma bandeira. Trabalho árduo é vencer o preconceito, os músculos se fortalecem com nossos exercícios. As diferenças? Diminuímos a distancia entre elas. Nossa própria atitude faz a revolução.

No Congado de Airões, vemos que a maioria dos integrantes ainda é homem. Mas vemos também moças bandeireiras e mulheres instrumentistas. Mas espadeira corta-vento e puxadora de canto mesmo, só a Maria de Lurdes, a primeira com a capa. Porque a segunda é sua filha.

Veja mais fotos:

mulheres congado-9mulheres congado-18 mulheres congado-14 mulheres congado-13mulheres congado-7 mulheres congado-5 mulheres congado-4 mulheres congado-3mulheres congado-12

 

Para (ainda) mais fotos

Confira a postagem sobre o marido da Maria, Antônio Boi 

E também sobre o Congado de Airões

Deixa um Comentário